domingo, 27 de dezembro de 2009

Kyrie

Em nome dos que choram,
Dos que sofrem,
Dos que acendem na noite o facho da revolta
E que de noite morrem,
Com esperança nos olhos e arames em volta.
Em nome dos que sonham com palavras
De amor e paz que nunca foram ditas,
Em nome dos que rezam em silêncio
E falam em silêncio
E estendem em silêncio as duas mãos aflitas.
Em nome dos que pedem em segredo
A esmola que os humilha e os destrói
E devoram as lágrimas e o medo
Quando a fome lhes dói.
Em nome dos que dormem ao relento
Numa cama de chuva com lençóis de vento
O sono da miséria, terrível e profundo.
Em nome dos teus filhos que esqueceste,
Filho de Deus que nunca mais nasceste,
Volta outra vez ao mundo!
Ary dos Santos

Mozart: Grande Missa em Dó Menor, K427 - Kyrie
Gardiner dirige The English Baroque Soloists e The Monteverdi Choir

14 comentários:

  1. Estranho. Gosto tanto de Mozart e contam-se pelos dedos as vezes que publiquei ou coloquei em música de fundo. Amo o Requiem, independentemente de ser um Requiem.
    O poema..., que dizer?

    ResponderEliminar
  2. Fátima, a sua observação levou-me a acrescentar algumas palavras mais sobre a minha intenção neste post:
    Kyrie eleison (Senhor, tende piedade) é uma oração da liturgia cristã. Faz parte das missas, cantadas ou não. Neste caso usei o Kyrie da Missa em Dó Menor de Mozart, em cojunto com o Kyrie de Ary dos Santos. Há de certa forma uma contraposição: a oração pede piedade para nós, o de Ary pede piedade para os outros, mas de alguma forma os outros estão assim por falta da nossa piedade (amor e respeito; compaixão), daquilo que nós esquecemos ser a nossa parte na obra divina. O Filho de Deus precisa nascer de novo... agora no nosso coração!

    ResponderEliminar
  3. Hummm...,(relativamente à última parte do que escreveu) aceitando e respeitando.
    Mas o (F)ilho de (D)eus não precisa..., o que não quer dizer que o meu coração não sinta..., pelos outros, pela humanidade, por mim - o que é bastante fácil - sentir piedade (amor, respeito, compaixão).
    As nossas acções, isso sim, é importante. Mas não são para contar, para mostrar. Ficam connosco!

    Abraço J. Rui!

    ResponderEliminar
  4. Magnífico poema, como tudo de Ary dos Santos, poeta de que gosto imenso.

    Por vezes, olhando o mundo, parece que Deus (se existe) nos abandonou de vez. Talvez por isso eu tanto aprecie a noção e o sentimento em si de compaixão. Por nós e pelos outros. Sentir com... ter compaixão. Algo que tanto falta neste mundo de indiferença crescente :(

    Adorei escutar o Kyrie - lindíssimo!

    Desejo-lhe um excelente 2010, José Rui :)
    Com um abraço agradecido pela partilha.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada por este post belíssimo!!
    Um bom ano para ti. Beijos.

    ResponderEliminar
  6. O comentário da Fátima incentivou-me a intervir para dizer que talvez por ausência de acções se diga que está o inferno cheio de boas intenções.

    Um Ano Verdadeiramente Novo, cheio de Jovialidade, Coragem, Esperança, Força e Grandes Acções Para Todos.

    ResponderEliminar
  7. É verdade, caro Anónimo, por isso peço que o Filho de Deus nasça de novo no coração (aí incluo o meu, não só no dos outros... quem sou eu para o ser melhor...). E desejo cada vez mais ter um coração digno de o receber.

    Obrigado pelos votos que formula e pela contribuição que aqui deu!

    ResponderEliminar
  8. Um banho de Paz este teu post...

    Que o Novo Ano (te) seja magnífico!

    Um forte abraço

    ResponderEliminar
  9. Ups..., quem será o/a anónimo/a que até escreve o meu nome com desenvoltura?

    Bem..., adiante..., entretanto, espero uma nova publicação, porque, se não gostasse do "Eu Conto", não o visitava, independentemente de opiniões várias.
    Acho que neste aspecto, o José Rui concorda comigo.

    Uma boa noite, J.Rui!

    ResponderEliminar
  10. Fátima (Contracena), concordando ou não, é sempre muito bem vinda a este blogue!
    A riqueza está na troca de opiniões, não estou à espera que todos me venham dizer que estão de acordo! Só são desinteressantes as opiniões que não têm "substância", o que nunca foi o caso. Aprecio sempre o que aqui diz!
    Concordo, seria mais simpático se o "Anónimo" ao menos assinasse os comentários... mas pelo menos fá-los com correcção.

    Cumprimentos para si, Fátima

    ResponderEliminar
  11. Belíssimo (tudo), poema e música escolhida.
    Bjs.
    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  12. Uau! As vozes femininas do coro deixam-me arrepiada - mesmo, reacção física!

    ResponderEliminar
  13. O chato de comentar no teu blog é ter de parar de ouvir a música (ihihi).

    ResponderEliminar
  14. Susana, é mesmo para comentar só depois de ouvir tudo! :)

    ResponderEliminar