sexta-feira, 9 de abril de 2010

Ainda não é tarde



Ainda não é tarde, dizem os amigos
aos quarenta anos. Amam as canções
e as cidades estranhas que o desejo
guarda: a pressa de Junho nas escadas
do metro e essa livraria à beira do rio –
só a descobrimos no último dia, a pena

que foi
. No fim da estação regressam
iguais com histórias diferentes, gratos
souvenirs. Ainda não é tarde, nada
está perdido (e ninguém lhes dá
a idade que têm). Aos quarenta anos
não sabem dizer o que aconteceu,

mas quando se juntam à roda da mesa
na vaga euforia que a hora consente,
já quase acreditam que podem voltar
à pequena praça, à luz entrevista de um
quarto de hotel, onde a noite é nova
e toda a beleza se há-de cumprir

Rui Pires Cabral
in Oráculos de cabeceira

Rui Pires Cabral nasceu em Outubro de 1967 em Macedo de Cavaleiros. Licenciou-se em História-Arqueologia em 1990. Publicou em 1985 um livro de contos mas foi através da poesia que a sua escrita atingiu um assinalável grau de maturidade. A toada mais abstracta do seu primeiro livro deu lugar nos mais recentes, a uma poesia metonímica e figurativa quantas vezes surpreendente, onde as viagens, as cidades e a música são pretexto para uma escrita prosódica muito nítida. Rui Pires Cabral não esconde um gosto por um presente concreto no que de episódico e narrativo possa ter, e onde o mais pequeno acontecimento ou cena citadina serve para dele extrair um poema.

5 comentários:

  1. Adorei o poema, José Rui!

    Muito obrigada, não conhecia o autor. O poema é uma delícia, cativa-me tudo, e assinalo o sentido rítmico da escrita.

    Quanto à música... Charlie Haden e Pat Metheny... belíssima, não é verdade? :)

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. desconhecia este poeta e gostei bastante do poema.
    obrigada pela divulgação
    um abraço, zé rui

    ResponderEliminar
  3. Boa Tarde José Rui.
    A sensibilidade desse poeta, também chamado Rui, me mostra que não há tempo para o tempo.
    Também não o conhecia.
    Maravilhoso.
    Pesquisarei mais.
    Xeros.

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito do "Love Theme" do "Cinema Paradiso".
    Ennio Morricone é um dos compositores de bandas sonoras de filmes, que eu mais gosto.

    (não ando muito virada para a poesia)

    Abraço José Rui!

    ResponderEliminar
  5. São sempre tãp belos os "Love Themes" que até hoje ouvi...tão belos e tão nostalgicos que quase sempre me dão vontade de chorar, como este.
    Obrigada Zé Rui, por ele e pelo poema deste Poeta que não conhecia.
    Sempre o meu querido Amigo e belíssimo Professor a ensinar-me coisas!!!
    Bjs.
    M.M.

    ResponderEliminar