quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Cinzas de quarta-feira











(...)

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...


(1894-1930)
Amar

5 comentários:

  1. Estou na minha Primavera. :)

    ResponderEliminar
  2. e nas cinzas me reencontro
    um beijo

    ResponderEliminar
  3. Florbela Espanca... adoro! Este poema nao conhecia... sinto-a sempre um pouco melancolica, ou talvez seja eu que quando estou melancolica procuro alguns dos seus poemas...


    Este é especialmente bonito, fala da morte como a principal razão para vivermos intensamente a vida!

    Obrigada José Rui, é Sempre bom vir aqui!
    bjs
    claudia

    ResponderEliminar
  4. José Rui o poema AMAR da Florbela Espanca é um ícone à poesia.

    Musiquei este poema que faz parte do meu «Musicalidade Poética». Fiz também um arranjo para guitarra clássica.

    Um abraço

    José

    ResponderEliminar
  5. Eu já vivi a Primavera da minha vida!
    Cinzas..., também!

    ResponderEliminar