sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Vens?

Pergunto-me o que espero se sei que não vens.
Oiço o vento puxar conversa.
A minha indiferença vai castigar-me.
Apetece-me fechar os olhos... teimo!
Não combinámos hora,
não combinámos nada.
Pensei apenas que viesses…
como às vezes vens!
É bom quando temos algo combinado.
Sei que vens,
preparo-me.
Aproxima-se a hora e o entusiasmo aumenta,
por isso gosto de combinar!
Não apenas para saber se vens,
para viver intensamente o momento anterior à tua chegada!


in Pin, uma explicação de ternura

Prelúdio da Suite em Sol Maior, BWV 1007, de J. S. Bach,
uma das célebres páginas da história da música.
Tanya Tomkins - Violoncelo barroco

6 comentários:

  1. Belo poema
    Simples como eu admiro...
    em abraço

    ResponderEliminar
  2. Olá José Rui
    Muito agradável o seu blogue, está repleto de boa poesia e boa música... gostei, particularmente deste prelúdio.

    Um abraço

    José

    ResponderEliminar
  3. Um poema no sentido da espera.
    Um abraço
    Chris

    ResponderEliminar
  4. Os poemas da Luísa (Pin) são todos eles muito sentidos. O livro Pin, uma explicação de ternura, quase nos faz viver os poemas, faz-nos sentir a imensa ternura com que foram escritos, para além da qualidade literária e da concepção artística do livro. Já aqui falei dele e de novo o recomendo.

    ResponderEliminar
  5. muito obrigada pelo prelúdio... muito obrigada pelas palavras... muito obrigada pelo post... muito obrigada

    quando a dia 20... sim, irei!

    um beijo
    luísa

    ResponderEliminar