quinta-feira, 5 de novembro de 2009

A meio do caminho

Alameda dos liquidâmbares, Serralves, Porto, Out. 2009 - Foto de minha autoria


Fico entre o céu e a terra,
Choro só para dentro.
Sou como a árvore nua
que ao alto os ramos indica:
ergue as asas, mas não voa,
tem raízes, mas não desce.
(1928-2007)

7 comentários:

  1. Gosto deste poema. Pequeno e cheio de sentido. Beijos.

    ResponderEliminar
  2. A foto, uma maravilha. Parabéns.

    Nesta altura do ano, os Liquidambares estão vermelhos, podendo apresentar-se em simultâneo com vários tons de verde, laranja e amarelo.

    As palavras bem escolhidas dum autor desconhecido para mim (Eu não digo que me farto de aprender contigo?)

    Vinha á procura do Vintage, mas está bem, passo depois :-)

    ResponderEliminar
  3. assim me sinto muitas vezes. Linda esta foto a fazer jus à bela alameda
    um beijo

    ResponderEliminar
  4. Voltei! Ando a matar saudades e a espalhar "prémios".
    Tens um lá no meu blog.

    Magnífico este poema.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. linda esta alameda... não me importava de andar por lá neste momento.
    um abraço

    ResponderEliminar
  6. Foto maravilhosa
    .
    espaço de interiorizações
    .

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. (mais do que a meio caminho)

    Bonito..., mas...

    ResponderEliminar