segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Conselho

Maxwell Hutchinson: Strength, Love and Patience
Sê paciente;
espera que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto
ao passar o vento que a mereça.

5 comentários:

  1. Ora aqui está um conselho amadurecido :-)
    Belíssima a imagem que escolheste.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Um dia destes tive mesmo para publicar este pequeno / grande poema do E.A..

    Pelo que tenho observado ao longo de anos, cada vez mais me parece que os ventos são muito complicados e pouco merecedores. Privilegiados/as os/as que nada esperavam/esperam, e de repente, um vento "calmo", "seguro" se atravessa nas suas vidas. Um vento que agasalha em noites de trovoadas. :)

    "Strength, Love and Patience". Falta Serenity. Para mim, o mais importante. Sem ela, não há Força, Amor e muito menos Paciência.

    Estou no meu trabalho, mas vou escrever mais um pouquinho, e ainda quero ir ao blogue da Susana. Vamos ver se dá.

    "Conselho". Nunca gostei desta palavra. Devem-se contar pelos dedos as vezes que a utilizei e refiro-me principalmente ao meu filho, agora com 26 anos. Gosto de "opinião". Mas o engraçado, é que ontem à noite, contava-me ele algo da sua vida particular/amorosa, e eu disse-lhe: J.P., o que te vou dizer não é uma opinião, é um conselho. Ele ouviu, e respondeu: tens razão, mãe.

    ..., e quem é o Senhor José Rui Fernandes..., para dar conselhos...??? :))) Isto só visto..., lido ninguém acredita... :)))

    Abraço, J.Rui.
    Fátima.

    ResponderEliminar
  3. Fátima, o conselho não é meu... é do Eugénio de Andrade!
    É esse o título do poema.
    Mas nesta "fonte de poemas", cada um só "bebe" o que quer...

    ResponderEliminar
  4. Que escrever?
    Dou a mão à palmatória!
    Mostro a minha ignorância quanto ao título do poema!
    Armei-me em "Chica esperta" e mereci a resposta!

    ResponderEliminar
  5. Gosto mais de Eugénio de Andrade. Mais claro que o que postaste a seguir (para mim, claro!). O poema remeteu-me para a impetuosidade da escrita. Às vezes apetece escrever, escrever, escrever, e na ânsia, a palavra não amadurece. Giro!

    Olá Fátima! Hoje não há tempo curto que resista. Anda lá pela água um morego quilométrico que já vai no X capítulo. Desencoraja visitas rápidas, o maroto! ;)

    ResponderEliminar