sábado, 2 de janeiro de 2010

Vento no rosto

Maria Lameira: Entardecer no Alentejo
À hora em que as tardes descem,
noite aspergindo nos ares,
as coisas familiares
noutras formas acontecem.

As arestas emudecem.
Abrem-se flores nos olhares.
Em perspectivas lunares
lixo e pedras resplandecem.

Silêncios, perfis de lagos,
escorrem cortinas de afagos,
malhas tecidas de engodos.

Apetece acreditar,
ter esperanças, confiar,
amar a tudo e a todos.

António Gedeão
in Movimento Perpétuo, 1956

9 comentários:

  1. O poema é mt bonito e eu nao conhecia, só por isso ja valeu :)
    Mas a imagem é lindaaaaaaaaaaaa, ADOREI!
    Tb gostei mt da musica do post abaixo...
    Conclusao: adoro a blogosfera!!!

    Vou voltar com mais tempo e prestar mais atençao em mais coisas daqui!

    um beijo
    e
    obrigada pela visita
    e
    parabéns pleo blog!!

    fatima

    ResponderEliminar
  2. Lindo este poema de Gedeão.
    Uma simplicidade poética enorme. Adoro.
    Muitos beijos, obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  3. Uma boa escolha, igualmente intensa...Pela simplicidade, pela verdade expressa...
    Obrigada pela visita....e um bom ano 2010....
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  4. António Gedeão, sempre uma óptima escolha!
    Parabéns!
    um abraço
    ana claudia

    ResponderEliminar
  5. Venho atrasada 3 dias, mas nunca é tarde para desejar uma vida feliz.
    É o que lhe desejo.
    Um abraço
    Eduarda

    ResponderEliminar
  6. José Rui, um belo poema para começo de um novo ano.
    Cá p'ra mim, amanhã é o primeiro dia.
    Os últimos, foram folgados.

    Abraço,
    Fátima.

    ResponderEliminar
  7. A noite, como o sonho, transforma em ouro o rabo do touro. :)

    ResponderEliminar
  8. Há noites assim! E deixamo-nos amar e estamos predispostos a amar toda a gente...Gedeão era Sábio!
    Bjs.
    Maria Mamede

    ResponderEliminar